segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Rivotril. Solução ou Problema?

"— Doutor, quero que o senhor me receite Rivotril.
— Por que você quer Rivotril? — pergunta o médico.
— Porque preciso estudar e passar em um concurso público."

Trecho da reportagem Tarja preta: dose, remédio ou veneno? do Diário Catarinense.

Aconselho a lerem a reportagem antes de continuar meu post.
De qualquer forma vou citar alguns dados: uma pesquisa do Ministério da Saúde, diz que o medicamento Rivotril é o segundo mais vendido em nosso país. Para quem não conhece, este remédio é um tranquilizante, para acabar com a ansiedade, insonia, etc.

Quem não quer acabar com as neuras do dia a dia? Dormir tranquilo a noite? Todo mundo. E acho que ai entra a maior parte da polêmica. Rivotril virou modinha. E modinha entre todas as classes sociais.

Existem caso sim, onde a necessidade de um medicamento desses se faz presente, mas na maioria ela vem mesmo de indicações de amigas, parentes e acaba sendo receitada e usada, muitas vezes em que soluções menos drásticas poderiam ser tomadas. O Rivotril é um remédio tarja preta.

Minha irmã tem convulsões. Depois de dúzias de exames um dos médicos receitou Rivotril, porque chegou-se a conclusão que a causa era psicológica. Ansiedade. Resolveu?!? Claro, a menina virou um zumbi, com algumas gotas ficou com tanto sono que pronto. Dormiu, dormiu, dormiu. Acabou a ansiedade. Acabou o problema? Não.

Acho que sou muito radical quanto a medicamentos desse tipo, pra mim em 90% dos casos é apenas tapar o sol com a peneira, adiar os problemas, deixar para depois. Se o Rivotril é a nova moda, depressão é o nosso pretinho básico.

Não quero dizer aqui, que todo mundo que usa esses remédios está fugindo dos seus problemas, mas a maioria sim. Você parou para pensar que ao invés de tentar mudar as coisas na própria vida, suas atitudes, pensamentos, está tomando um remédio que te faz 'ignorar' os problemas e seguir em frente? Até quando?

A alguns anos atrás eu tive depressão. Ninguém está a salvo disso e não acho que seja frescura. Acontece. Sofri. Mas optei por conversar, pensar e botar as coisas em rumo sem tomar remédios. Em nenhum momento achei que foi fácil. Mas sou uma pessoa mais segura dos meus sentimentos e dos meus problemas agora.

Fico pensando se tivesse optado pelos remédios. E que tivesse parado de tomar eles depois da falsa sensação de bem estar. Como eu estaria hoje?

Gostaria de saber a opinião de vocês quanto a esse assunto.

13 comentários:

Culpada! Como qualquer mortal... disse...

eu sou totalmente anti-remédios tb

mas no meu caso, soh com remedios msm huahauaha

:**

Grazi disse...

É isso que me encomoda. Todo mundo só vê a solução com remédios, ainda que seja 'anti-remédios' não dá na msm?

:/

Ana, A menina que roubava idéias disse...

O mundo hoje quer soluções rápidas por falta de tempo.

Para que querer se conhecer ou ajudar o outro se tem uma pílula que faz isto???

beijos, vc está certíssima.

Loolieeze disse...

Concordo mesmo com vc...
Minha mãe é dependente de remédios desse naipe já há mais de 15 anos...
E hj ela é uma senhora que age como adolescente...

E não dá pra confiar na indicação médica...pq hj eles receitam remédios fortíssimos, mesmo para casos que não necessitam de tanto "torpor"...

Parabéns pelo post!

enfermeira tati disse...

Uma vez sim pensava só em remédios, qualquer coisinha ia lá a tati com a sua bolsa de remédios, hj mais madura e enfermeira devo concordar plenamente com vc ãmi, hj sou totalmente anti-remédios,a força de vontade é mto mais forte do que qualquer remédio mas enfim, cada caso é um caso né?!

obs.: mas que o rivotril me ajudou no tcc, isso me ajudou!! heheheeheh

Manoela Bertelli disse...

O Rivotril é uma droga controlada, você precisa da receita azul, que somente médicos podem dar, para conseguir comprar. E essa receita tem que estar super bem preenchida, qualquer problema com um simples endereço eles já não te vendem por causa da fiscalização.
Ou seja, se o remédio é o mais tomado no país, é porque os médicos estão dando como bala no Natal. Talvez falte um bom senso desses médicos em parar de receitar para qualquer pessoa que lhe peça.

Valentina disse...

Bom... eu não uso rivotril, mas uso "remedinhos fortes" (como eu brinco com quem me conhece) há uns 3 anos... Depois de anos de diversos problemas, senti que tinha que procurar um profissional em quem confiasse... fui a uma psiquiatra e, depois de muita conversa e pesquisa ela diagnosticou meu problema como bipolaridade (outra doença da moda... rsrsrs). Desde lá eu uso os amiguinhos da tarja vermelha e me sinto bem. Já me revoltei uma ou duas vezes e deixei de usar. Não foi legal!! Já tentei ir em psicólogos, mas não consigo falar... então, pro enquanto, só remedinho.

Não sou a favor de tomar remédios sem que haja necessidade e acho que se vc não está bem deve procurar um médico, única pessoa que pode, realmente, diagnosticar qualquer coisa em vc. Agora, se esses médicos receitam como se fosse bala, aí é outro assunto... aí vai do teu bom senso... ou falta... rsrsrsrsrsrsrsrs...

Parabéns pelo blog...

Beijo

Mara Pusch disse...

Grazi querida, concordo com você que remédio não dever ser "receita" pra qualquer problema.
Mas como psicóloga sei que muitas vezes só com medicação prescrita por um médico, e com acompanhamento deste médico X remédio é que faz diminuir o sintoma e este paciente buscar ajuda terapêutica. Que bom que no seu caso você conseguiu sem tomar medicação, mas muitos não conseguem e sentem-se muito "impotentes" por ter que recorrer a remédios.

Já outros buscam no remédio uma solução mágica de resolução de problemas, daí o médico tem que ser ético e competente para saber como ministrar (ou não) ansiolíticos.

Concordo com sua posição mas acho que não podemo nem radicalizar nem banalizar e sim na dose certa! Grande bjo

Anônimo disse...

Concordo com vc quando diz que não precisa tomar RIVOTRIL porque não precisa dele...
Mas nem todo mundo é igual...ontem eu não precisava dele porque era normal, entrava num ônibus, num banco, dormia em paz, não tinha ansiedade de me sufocar, palpitações...
Hoje, eu preciso dele, senti-me melhor e aí?
Acho que prefiro depender dele para ser normal
do que ficar sem ele e ser anormal...
Confio nos médicos, se eles passam é porque sabem que o paciente precisa.Se virou moda??
É o estilo de vida atual que é super agitado...

Por quê as pessoas se preocupam tanto com esse medicamento, se tem tantas outras pessoas dependentes de medicametos p/pressão, diabetes e outros mais???

Anônimo disse...

Concordo com vc, se vc não precisa de Rivotril ou outro medicamento qualquer, agradeça a Deus, vc tem saúde...
Ontem eu era normal, entrava num ônibus, entrava num banco, dormia em paz, não tinha ansiedade excessiva e nem palpitações e nem um monte de sintomas que só sabe quem já teve...

e hoje para ser normal, eu tenho que tomar Rivoril, minhas fobias me perseguem, ansiedade e tudo mais...

Então RIVOTRIL NÃO É PARA QUEM QUER TOMAR E SIM PARA QUEM PRECISA DE TRATAMENTO!!!!

sindrominha disse...

oi gostaria que conhecessem o meu blog sobre a minha experiência pessoal com a síndrome do pânico, e também sou anti remédio.

Agradeço desde já a visita, obrigado.

Anônimo disse...

remedio para quem preciza tem q tomar eu tomo e fico bem

Anônimo disse...

Sou psicologa e simplesmente sou contra esse tipo de medicamento principalmente os de tarja preta. adorei teu post vou ate repassa-lo.

Postar um comentário